Payback: Aprenda a calcular o prazo de retorno do seu investimento

Dicas para não errar na escolha de software de gestão para sua empresa
13 de julho de 2017
Aprenda a migrar seu negócio de MEI para Microempresa.
26 de julho de 2017
Exibir tudo

Payback: Aprenda a calcular o prazo de retorno do seu investimento

No momento que você investe seu dinheiro em um projeto ou produto que tem por intuito aumentar a produtividade de uma empresa, certamente você quer saber em quanto tempo terá de volta o dinheiro investido. Não é mesmo? Esse retorno é chamado de payback, ele permite analisar o custo-benefício de qualquer investimento, ajudando a saber se realmente agora é ou não o melhor momento para investir.

Sendo assim, para que essa conta seja feita de forma correta é necessário que saibamos o valor do investimento, os benefícios que esse investimento vai trazer para o negócio e quanto isso vai influenciar no preço final do meu produto.

O cálculo em suma é muito simples, vamos repassar um exemplo para que fique ainda mais claro o entendimento:

A empresa Marmitex S.A de marmitas vende a marmita por R$ 10,00. E o custo de produção da marmita é R$ 5,00. Ou seja, o lucro em cada marmita é de R$ 5,00. Suponhamos que eles tenham uma pessoa que só fecha as marmitas e outra que só prepara as marmitas. Cada uma custando R$ 1.000,00 por mês. No total, são R$ 2.000,00 de mão de obra total, o que equivaleria, hipoteticamente, a R$ 2,00 em cada marmita feita.

Porém, existe um equipamento que fecha automaticamente as marmitas, deixando o processo mais rápido e prático. Possibilitando que uma pessoa possa sair dessa função, o que traria uma economia de R$ 1.000,00 do funcionário, ou diminuiria em R$ 1,00 o custo de produção das marmitas. O custo dela que antes era R$ 5,00 será então R$ 4,00.

Se esse equipamento custa R$ 3.000,00, significa que será preciso vender 3 mil marmitas para ter o payback — ou retorno — sobre o seu investimento. Se a empresa de marmitas vender 500 marmitas por mês, esse retorno seria em seis meses.

Sempre lembrando que no exemplo acima, não contamos todos os custos envolvidos na produção, como os direitos trabalhistas, o valor do remanejamento de um profissional. Mas, a ideia era mesmo o cálculo ficar claro, objetivo e mostrar que a economia causada por um investimento dividido pela produção alcançada com o investimento nos traz o payback em questão. E no fim é isso o que realmente importa nessa conta.

 

Por que preciso saber o payback de um investimento?

Após entender essa lógica, o processo de tomada de decisões fica muito mais simples, principalmente tratando-se de novos investimentos. Muitas vezes um investimento pequeno pode trazer um custo-benefício muito mais do que investimento pesados e isso fica claro com o cálculo do payback.

Por esse motivo, o uso do payback tem se tornado um dos mais seguros e efetivos métodos para se avaliar se um investimento é ou não interessante para ser feito.

Existem outras técnicas que podem ser aliadas com o payback e assim aumentam ainda mais a credibilidade do processo e melhoram consideravelmente as chances de acerto nos investimentos, otimizando os resultados do seu negócio. Principalmente quando estamos trabalhando em momentos de restrição de investimentos por conta da recessão econômica, saber onde e quando investir é primordial para o sucesso empresarial.

 

O payback pode ser usado sozinho e em qualquer situação?

Embora seja uma técnica efetiva e simples, o payback não é uma unanimidade recomendada para todos os casos. Em investimentos onde o prazo de produção do produto é muito longo, pois fatores como o oscilações do mercado, parcelas do produto, preço do financiamento entre outros fatores externos podem fazer o payback ter que adotar outras variáveis de mercado além da conta base que repassamos.

No exemplo que apresentamos, somente utilizamos como base de cálculo recursos humanos, ou seja, mão de obra. Neste caso, tem como incidência os valores de carteira assinada, valores de rescisão trabalhistas e outras despesas contidas no contrato de trabalho. Somente, com esse exemplo já podemos ver que o payback é uma ótima e efetiva ferramenta, mas em algumas situações não pode ser usado como referência única para novos investimentos.

O payback seria uma análise inicial, que certamente vai nortear suas decisões. Mas é bom aliar essa análise com outras ferramentas para verificar se realmente o que foi apresentado está de acordo, a vantagem é que o processo de análise do payback da um resultado de forma rápida, mas sempre é interessante confirmar sua análise utilizando outras metodologias.

Concluindo: O payback é um bom caminho para diagnostico de investimento, mas nunca deve ser encarado como a única solução para seus negócios. Conhecer seus valores certamente vai ajudar a dar um passo importante no trabalho de elaboração de um bom planejamento, aumento da lucratividade e manutenção do fluxo de caixa da sua empresa.

Comentários

comentários