Os 4 grandes erros que ocorrem no controle de estoque

Saiba porque sua empresa precisa de adotar um ERP.
14 de outubro de 2016
Sua empresa está pronta para a Lei da Transparência na nota fiscal?
17 de outubro de 2016
Exibir tudo

Os 4 grandes erros que ocorrem no controle de estoque

Não é possível começar esse post sem antes partir de uma ideia básica: Estoque não é custo, é dinheiro. Deve ser classificado no ativo, ou seja, entre as aplicações feitas pela empresa, não como uma despesa. E o quanto de importância você dá para o controle do dinheiro? Muita, certo? Gerenciar de maneira eficiente o estoque significa otimizar os investimentos. Não é a compra dos produtos em si, mas a má gestão deles que podem gerar diversas despesas desnecessárias. Podem ser diversos os erros de gerenciamento e manutenção de estoques, eles dependem da natureza de cada negócio. Para ajudá-lo nesse ponto de sua gestão empresarial, listamos as falhas mais comuns.

Aquisição de estoques acima ou abaixo do necessário

É muito importante para todo empreendedor saber exatamente o quanto precisa comprar para atender sua demanda. As mercadorias excedentes são sempre um custo, já que a maioria delas sofrem depreciação com o tempo até se tornarem obsoletas, além do risco de serem danificadas no local de armazenamento.

No caso de produtos alimentícios, por exemplo, o problema é ainda mais grave, pois eles têm curto prazo de validade e não poderão mais ser vendidos. Por outro lado, o conservadorismo também pode ser um erro porque a carência de estoques atingirá diretamente o quadro de vendas, muitas vezes passando a falsa impressão de que aquele produto é pouco procurado em estudos posteriores.

Nas fases iniciais da empresa, o ideal é que seja realizada uma gerência de acompanhamento para identificar os itens mais procurados. A partir daí, a análise de vendas deve ser acompanhada a cada mês, para saber como está o ritmo do mercado.

Não utilizar software para realizar o gerenciamento do estoque

Até é possível gerenciar movimentos de entrada e saída de mercadorias na ponta do lápis ou em planilhas, no computador. O que acontece na prática, porém, é que no meio das tarefas rotineiras, a administração acaba não dando a atenção necessária para o controle do estoque, procedimento que, se feito manualmente, tomará muito tempo.

Hoje, as tecnologias estão cada vez mais baratas e acessíveis. Além de gerenciar o estoque, um software online para controle de estoque pode auxiliar nos fluxos de caixa e até na emissão de notas fiscais.

Não descrever e identificar os itens do estoque

Azul, preto, vermelho, pequeno, médio, grande. Descrever os produtos é uma tarefa aparentemente supérflua, mas não se engane. A identificação de cada item no estoque tem diversas finalidades, que vão desde a correta aquisição dos mais vendidos – a cadeira vermelha, da mesma marca que a azul, pode ser mais procurada – até a realização de um cadastramento correto dos itens estocados, evitando duplicidade. Quanto mais informações tiver, mais fácil será para o gestor compreender como funciona o seu mercado e sua empresa.

Pensar em valores e não no tempo médio de estocagem

Muitas vezes, os números podem ser traiçoeiros para o empreendedor. Ao pegar as planilhas da sua empresa em um certo momento, por exemplo, um gestor pode verificar que a soma do item A está avaliada em R$ 1.000 e a do item B está avaliada em R$ 5.000. Após cinco dias, ele é surpreendido ao perceber que o item B está esgotado, enquanto ainda há R$ 200,00 reais em estoque do item A. Quando o gestor já domina o seu mercado, ele deve pensar no tempo que os itens costumam ficar estocados, não só nos seus valores, evitando assim surpresas desagradáveis.

Como está o gerenciamento de estoque da sua empresa? Compartilha com a gente! =)

Um abraço e até a próxima!