Como criar uma estratégia de vendas vencedora para PMEs
4 de janeiro de 2017
Potencialize seus resultados com um controle de estoque eficiente
19 de janeiro de 2017
Exibir tudo

Quais os impostos que sua empresa está pagando

Um bom empreendedor não se descuida das suas obrigações fiscais e tributárias, e conhecer os impostos federais que sua empresa paga é uma dessas obrigações. Neste post vamos apresentar o principais impostos federais que você paga mensalmente, o que é cada uma dessas siglas e qual o tamanho da “mordida” nos seus resultados desse tanto de taxas.

Os Impostos federais pagos por sua empresa dependem muito da atividade por ela exercida e o regime tributário que se enquadra. Neste post vamos abordar o Simples Nacional, que é considerado o mais vantajoso para a maioria das micro ou pequenas empresas e seu recolhido é feita de forma unificada até o dia 20 de cada mês.

Conheça mais sobre cada um desses tributos:

IPI

Toda a empresa que produz ou importa mercadorias precisa recolher o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). As alíquotas variam bastante, sendo válido consultar a TIPI, que traz todos os percentuais. Indústrias optantes pelo Simples têm a alíquota padrão de 0,5%. O tributo é calculado sobre o preço de venda e tem como fato gerador o desembaraço aduaneiro de produtos que vêm do exterior ou a sua saída do estabelecimento industrial.

INSS

O tributo que corresponde ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP). Ela é calculada sobre a folha de pagamento, com alíquota de 20%. Quem opta pelo Simples Nacional paga no documento único de arrecadação (DAS) uma alíquota diferenciada: entre 2,75% e 4,6% para comércio e indústria e entre 4% e 7,83% para serviços.

Cofins

A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incide sobre a receita bruta das empresas e tem um cálculo mais complexo, pois varia conforme o regime tributário e se há ou não a opção pela incidência cumulativa. Assim, a alíquota fica entre 3% e 7,6%, enquanto no Simples é menor, variando entre 1,65% e 2,63%.

PIS/Pasep

A contribuição paga para os programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) tem apuração mensal sobre o valor do faturamento ou da folha de pagamento. A alíquota alcança 1,65% para empresas tributadas pelo Lucro Real e varia entre 0,38% e 0,57% para optantes pelo Simples.

IRPJ

O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é calculado sobre o faturamento da empresa, tendo alíquota de 15% sobre o Lucro Real, Presumido ou Arbitrado e variando entre 0,54 a 6,12% para optantes pelo Simples Nacional.

CSLL

A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) acompanha o regime de tributação adotado para o recolhimento do IRPJ. Tem alíquota de 9%, mas instituições financeiras, de seguros privados e de capitalização pagam 15%. Já no caso de participantes do Simples, as alíquotas vão de 0,79% a 2,53%.

IRRF

O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) funciona como uma antecipação do recolhimento de Imposto de Renda. O desconto aplicado sobre o salário do trabalhador varia e deve ser efetuado quando seu rendimento no mês for superior a R$ 1.903,98 (valor aplicável ao ano-calendário 2016). Nesse caso, a alíquota é de 7,5%, mas ela pode chegar até a 27,5%, quando o valor for superior a R$ 4.664,68. A base de cálculo é o total de vencimentos, menos o INSS e outras deduções.

E tem mais impostos

Fizemos uma seleção dos principais impostos federais pagos, mas como sabemos a nossa carga tributária é bem alta, então esses não são os únicos impostos que podem incidir sobre seu negócio. Outros tributos variam de acordo com seu ramo de atividade, como por exemplo, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que é estadual, e também temos o ISS (Imposto Sobre Serviços) que é de caráter municipal.

Organize sua agenda tributária

Não tem com fugir das obrigações fiscais e tributárias, é muito interessante contar com a orientação de um contador para lhe ajudar a entender e acompanhar esse fluxo de pagamentos, ser um gestor cuidadoso e estar sempre ligado no que está acontecendo certamente ajuda e muito a garantir que sua empresa não vai pagar nem mais e nem menos do que deveria.

Uma boa dica é elaborar uma agenda tributária e nela relacionar todos os impostos pagos no mês ou se preferir você pode usar a agenda fornecida pela própria Receita Federal (link aqui). Esse documento vai lhe ajudar a se organizar sobre os impostos devidos e saber quais as datas para a quitação dos mesmos e assim evitar que sua empresa tenha maiores problemas fiscais ou tributários.

Fique por dentro de todas as novidades do nosso blog!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>